Os benefícios da corrida para a saúde e qualidade de vida

OS BENEFÍCIOS DA CORRIDA PARA A SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA

            A corrida é uma fascinante atividade física que vem angariando muitos praticantes nos últimos anos, haja vista a sua grande praticidade de poder ser praticada ao ar livre e devido ao seu baixo custo, a considerar também a crescente preocupação com o sedentarismo e os efeitos da obesidade.

Esta atividade classifica-se como exercício físico aeróbico, onde, na modalidade competitiva, pode ser um teste de velocidade ou resistência. Também pode ser definida como um dos três meios de transporte humano. Os outros dois são o andar ou o marchar – o mais lento – e o saltar – o mais rápido[1].

O ato de correr, além de exercício físico, igualmente tem se mostrado como um excelente meio de integração social por atrair pessoas das mais diversas faixas etárias e com os mais diversos objetivos em relação à atividade. Desde os mais jovens que se valem da atividade para fins competitivos àqueles que a praticam para manterem-se em forma e evitarem o sedentarismo ou mesmo com o fim de unirem-se a grupos de corrida, aumentando a sua rede social ao conhecerem novas pessoas com objetivos semelhantes.

O fato é que a corrida atua nos mais diversos aspectos biopsicossociais do indivíduo, propiciando uma melhor qualidade de vida ao praticante, assim como auxiliando como método preventivo de enfermidades próprias do frenético ritmo característico dos grandes centros urbanos.

Foram elencados diversos fatores motivacionais relacionados à corrida de rua, que são: CONTROLE DO ESTRESSE – a corrida promove respostas positivas acerca do controle da ansiedade e do estresse da vida cotidiana; SAÚDE – o praticante utiliza-se da prática regular desta atividade física como forma da manutenção da saúde em geral e de prevenção de doenças relacionadas ao sedentarismo; SOCIABILIDADE – o indivíduo busca socializar-se com outras pessoas; COMPETITIVIDADE – é orientada ao aspecto de vencer ou ao objetivo; ESTÉTICA – é a dimensão que avalia o nível no qual o indivíduo utiliza-se da prática física como forma de se obter ou manter um corpo que seja considerado atraente e aprovado pela sociedade em que ele está inserido; PRAZER – esta é a dimensão relacionada à sensação de bem-estar, de diversão e a satisfação que a prática regular de atividade física proporciona[2].

Não bastasse os manifestos benefícios da corrida sobre a autoestima e integração social, a corrida melhora a saúde mental e é útil no tratamento de transtornos mentais. Com a atividade física, há uma melhora na autoestima e no controle do estresse, como já relatado, e com as autopercepções de controle, eficácia, humor e afeto. Já em relação aos transtornos mentais, a corrida apresenta-se útil no aspecto que constitui mais uma dimensão de integração social ao portador da enfermidade. É de muito sabido que tratamentos farmacológicos e internação são insuficientes sem uma adequada inserção social ao paciente, porque tais medidas afiguram-se simplesmente incompletas ao pleno desenvolvimento humano como ser biopsicossocial[3].

É também comprovado a utilidade da corrida para a melhora da qualidade do sono. O aumento da temperatura corporal, como consequência do exercício físico, facilita o início do disparo do sono, graças à ativação de mecanismos de dissipação do calor e indução do sono. O incremento do gasto energético promovido pelo exercício durante a vigília aumenta a necessidade de sono a fim de alcançar um balanço energético positivo, favorecendo a atividade anabólica[4].

A prática da corrida também foi associada em diversos estudos com a redução de sintomas de transtornos do humor, em especial a depressão e a ansiedade. Impende observar a importância de que a prática dos exercícios físicos seja feita na intensidade correta, pois do contrário o efeito pode ser inverso, tendo em vista o desgaste físico que acarreta a desregulação do organismo[5].

A melhora das funções cognitivas, especialmente a memória, também tem sido associada à prática de atividade física, decorrente de alterações hormonais (catecolaminas, ACTH e vasopressina), na B-endorfina, na liberação de serotonina, ativação de receptores específicos e diminuição da viscosidade sanguínea[6].

Ainda, segundo Karen Postal, presidente da Academia Americana de Neuropsicologia clínica, o exercício aeróbico vigoroso contribui para a criação de novos neurônios. De outra parte, foi possível constatar que a corrida auxilia na recuperação de emoções negativas mais rapidamente[7].

A corrida é uma atividade tão completa porque produz efeitos físicos e psicológicos igualmente importantes. Por meio dela, sai-se da rotina e mergulha-se em um mundo novo de sensações de bem-estar e vigor físico, que contribui para o reforço da autoestima e consciência corporal. Estimula a consciência crítica e reflexiva na medida em que te tira do palco alienante do cotidiano e te coloca numa posição privilegiada onde você pode apreciar e valorar a vida de uma outra forma.

O fortalecimento da imagem própria e de uma nova visão do eu ocorrem ante a sensação de desafio e da exploração dos seus próprios limites, o sentimento de superação que é levado para todos os aspectos da vida do praticante da corrida. De fato, são inúmeras as histórias de pessoas que superaram um grave quadro de dificuldades pessoais por meio da corrida e conseguiram performance neste esporte que jamais sonharam em atingir, transformando suas vidas e servindo de exemplo para todos.

A atividade física da corrida traz diversos benefícios na fisiologia do organismo, destacando-se: fortalecimento dos músculos envolvidos na respiração; fortalecimento e aumento do músculo cardíaco; tonificação da musculatura; diminuição da pressão arterial; elevação do número de células vermelhas do sangue; melhoria da circulação sanguínea; elevação das reservas de energia nos músculos, o que aumenta a resistência; aumento do fluxo sanguíneo nos músculos; redução da gordura corporal; melhora da capacidade cardiovascular e pulmonar; melhora os níveis de colesterol; auxilia na redução da osteoporose; aumenta a taxa de metabolismo e aumenta as enzimas que oxidam gorduras[8],[9].

O corpo humano em seu estado sedentário é propício ao acúmulo de gorduras, enquanto que o corpo que se mantém ativo é propício a queimar gorduras a nível celular, possuindo melhores recursos para prevenir-se e recuperar-se de lesões e doenças.

Sobre os efeitos da corrida na pressão arterial, foi constatado que aquele que pratica exercícios aeróbicos consegue obter uma diminuição da pressão tanto durante como depois do exercício de modo comparável ao uso de fármaco[10]. Portanto, revela-se muito útil a prática regular de exercícios físicos para o controle da pressão, sendo a hipertensão a maior causa de mortes no mundo ocidental, na medida em que leva ao aumento significativo do risco de acidente vascular cerebral, insuficiência renal, cardíaca e coronária, diabetes mélito e hipertrofia ventricular esquerda, dislipidemia, diabetes e obesidade centrípeta ou visceral[11].

Em estudo do American College of Sports Medicine sobre exercício físico e hipertensão, publicado em 2004, evidenciou-se que exercícios aeróbicos dinâmicos reduzem a pressão arterial em repouso tanto em indivíduos hipertensos quanto naqueles de pressão arterial normal, concluindo que os exercícios constituem a “pedra angular” na prevenção primária e no controle da pressão arterial já estabelecida[12].

No mesmo estudo, a entidade recomenda como frequência ótima para a prática de exercícios com o fim de auxiliar no trato da hipertensão: FREQUÊNCIA – tanto quanto possível, preferivelmente todos os dias da semana com descanso de apenas um dia; INTENSIDADE – moderada (40% a 60% de VO²); TEMPO – 30 minutos de exercícios contínuos; TIPOS – primariamente aeróbicos complementados por exercícios resistidos com pouco peso[13].

Convém alertar a respeito da importância da prática moderada para que os benefícios da corrida sejam assimilados fisiológica e organicamente. Para ter-se uma ideia, o impacto de cada passada transmite ao corpo forças estimadas em duas a três vezes o peso corpóreo do corredor. À corrida estão associadas as lesões osteomusculares (tendões, músculos, nervos, sinóvias e ligamentos) e lesões nos joelhos, sob a forma principalmente de artrite.

Além disso, a atividade gera repercussões em todo o organismo fisiológico sob as mais diversas formas, a saber: REPERCUSSÕES DIGESTIVAS – parcela expressiva do fluxo sanguíneo é desviada para os músculos durante o exercício, sendo que a falta de sangue no intestino, se prolongada, pode provocar a colite isquêmica, sendo a desidratação outro fator de risco para o intestino; REPERCUSSÕES CARDÍACAS – há o risco de morte súbita, apesar de raro, naqueles corredores que possuem anomalias prévias, congênitas ou adquiridas, não diagnosticadas, evidenciando a importância de submeter-se a exames médicos antes do início da prática de atividades esportivas; REPERCUSSÕES RENAIS – a redução do fluxo sanguíneo para o rim filtrar associada ao calor e a desidratação podem provocar, nos casos mais graves, insuficiência renal aguda; REPERCUSSÕES PULMONARES – podem ocorrer broncoespasmos induzidos pelo exercício, que são contrações involuntárias dos pequenos músculos que controlam a abertura e o fechamento dos brônquios; HIPONATREMIA – também existe esse risco, caracterizado por um transtorno de eletrólitos, onde a concentração de sódio no plasma sanguíneo é menor que o normal; DESIDRATAÇÃO; EXAUSTÃO PELO CALOR OU INSOLAÇÃO[14].

Como pode-se ver, tão importante quanto a prática do exercício é a sua correta prescrição, fazendo-se necessário o acompanhamento por parte de um profissional de educação física e a realização de exame prévios ao exercício.

A corrida constitui-se, por tudo quanto exposto, em um excelente meio de atividade física, que a cada dia conta com mais adeptos no Brasil e no mundo, bastando observar a quantidade de pessoas que se inscrevem nas maratonas todos os anos, com excelentes benefícios para o corpo e para a mente, servindo de fonte inspiradora para que muitas pessoas alcancem o seu melhor no esporte e na vida.

REFERÊNCIAS

FERREIRA, Celso et al. Benefícios da atividade física na hipertensão arterial. Encontrado no sítio: http://moodle.fac.org.ar/ccvc/llave/c112/ferreira.php.

GONÇALVES, Gabriel Henrique. Corrida de rua: um estudo sobre os motivos de adesão e permanência de corredores amadores de Porto Alegre.

ROEDER, Maika Arno. Benefícios da atividade física em pessoas com transtornos mentais.

TUFIK, Sergio et al. O exercício físico e os aspectos biopsicológicos.

VARELA, Drauzio. Correr – o exercício, a cidade e o desfio da maratona.

Corrida. Artigo encontrado no sítio: https://pt.wikipedia.org/wiki/Corrida.

Exercício aeróbico. Artigo encontrado no sítio: https://pt.wikipedia.org/wiki/Exerc%C3%ADcio_aer%C3%B3bico.

Oito benefícios da corrida. Artigo encontrado no sítio: http://vida-estilo.estadao.com.br/blogs/vigilante-da-causa-magra/os-oito-beneficios-da-corrida/.

Neurocientistas explicam como correr muda nosso cérebro e afeta o nosso pensamento. Encontrado no sítio: https://osegredo.com.br/2016/05/neurocientistas-explicam-como-correr-muda-nosso-cerebro-e-afeta-o-nosso-pensamento/.

AUTOR: Euclides de Almeida Silva – Diretor do Instituto Namaskar – Parapsicologia Clínica Integrativa – Constelação Familiar Sistêmica.

Revisor: Euclides de Almeida Silva Filho.

[1] Corrida. Artigo encontrado no sítio: https://pt.wikipedia.org/wiki/Corrida.

[2] GONÇALVES, Gabriel Henrique. Corrida de rua: um estudo sobre os motivos de adesão e permanência de corredores amadores de Porto Alegre, p. 17-22.

[3] ROEDER, Maika Arno. Benefícios da atividade física em pessoas com transtornos mentais, p. 4-5.

[4] TUFIK, Sergio et al. O exercício físico e os aspectos biopsicológicos, p. 2-3.

[5]TUFIK, Sergio et al. O exercício físico e os aspectos biopsicológicos, p. 4.

[6]TUFIK, Sergio et al. O exercício físico e os aspectos biopsicológicos, p. 5.

[7]Neurocientistas explicam como correr muda nosso cérebro e afeta o nosso pensamento. Encontrado no sítio: https://osegredo.com.br/2016/05/neurocientistas-explicam-como-correr-muda-nosso-cerebro-e-afeta-o-nosso-pensamento/.

[8] Exercício aeróbico. Artigo encontrado no sítio: https://pt.wikipedia.org/wiki/Exerc%C3%ADcio_aer%C3%B3bico.

[9] Oito benefícios da corrida. Artigo encontrado no sítio: http://vida-estilo.estadao.com.br/blogs/vigilante-da-causa-magra/os-oito-beneficios-da-corrida/.

[10] FERREIRA, Celso et al. Benefícios da atividade física na hipertensão arterial. Encontrado no sítio: http://moodle.fac.org.ar/ccvc/llave/c112/ferreira.php.

[11]FERREIRA, Celso et al. Benefícios da atividade física na hipertensão arterial. Encontrado no sítio: http://moodle.fac.org.ar/ccvc/llave/c112/ferreira.php.

[12]FERREIRA, Celso et al. Benefícios da atividade física na hipertensão arterial. Encontrado no sítio: http://moodle.fac.org.ar/ccvc/llave/c112/ferreira.php.

[13]FERREIRA, Celso et al. Benefícios da atividade física na hipertensão arterial. Encontrado no sítio: http://moodle.fac.org.ar/ccvc/llave/c112/ferreira.php.

[14] VARELA, Drauzio. Correr – o exercício, a cidade e o desfio da maratona.

Autor: namaskar

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *